Espécies

Pets

Mycotoxins Pets

 

Rações animais tradicionais como trigo e milho - e outras rações de origem vegetal, como nozes, legumes e frutas - também são utilizadas como ingredientes em rações comerciais para pets. Como resultado, os animais de estimação também podem ser expostos a esses metabólitos de fungos potencialmente tóxicos.

Além disso, os aumentos nos preços de ração significam que uma maior variedade de carboidratos como tapioca, batata doce e farinha de ervilha tornaram-se populares ingredientes da ração para pets. Variações no clima, condições de colheita e armazenagem e o próprio transporte, tudo isso pode impactar adversamente nos ingredientes das rações, o que, em casos de descuido ou mal gerenciamento de algum processo, poderá vir a aumentar os riscos de contaminação por micotoxinas na ração.

No Brasil, as fábricas de ração e todos os segmentos envolvidos no processo produtivo e de distribuição de alimentos para animais de companhia, são bem conscientes de tais riscos e tomam diversas atitudes para controlá-los e reduzi-los. Conhecer as principais micotoxinas que representam riscos em cada região é parte do processo para garantir a entrega de um alimento de melhor qualidade e segurança até o consumidor final. Leia abaixo e saiba mais.

Tipos de micotoxinas

As micotoxinas possivelmente encontradas em matérias primas de ração para pets são as aflatoxinas, ocratoxinas e as fumonisinas.

Principais micotoxinas produzidas por bolores Aspergillus

Aflatoxina:

O aspergillus flavus produz uma variedade de aflatoxinas, que são contaminantes de fungos comuns de nozes, semente de algodão, trigo e arroz. Eles são mais prevalentes nas regiões tropicais, incluindo a América do Norte e do Sul, onde eles pode florescer em milho seco durante condições de seca.

As aflatoxinas são particularmente tóxicas a cães se presentes em níveis altos o bastante. Anorexia e depressão são os dois sinais principais e mais visíveis de possível intoxicação alimentar.

Ocratoxina:

As ocratoxinas são principalmente encontradas em grãos de cereais e são mais prevalentes em regiões temperadas. Podem ser encontradas na ração de pets, embora a significância de seu efeito sobre animais de estimação não seja clara. As ocratoxinas se acumulam nos rins, e a alta exposição pode causar dano a esses órgãos.

Principais micotoxinas produzidas por bolores Fusarium

Fumonisina:

As micotoxinas são um grupo quimicamente diverso de compostos presentes em muitos ingredientes cereais. O milho, por exemplo, é comumente contaminado com fumonisinas, e o milho, o trigo e a cevada produzidos na América do Norte muitas vezes estão contaminados com deoxinivalenol, o tricoteceno mais comum.

O efeito das micotoxinas Fusarium sobre os pets não é tão bem pesquisado quanto o impacto de aflatoxinas e ocratoxinas. Mas, se presentes em rações comerciais, podem causar efeitos tóxicos como vômitos e recusa da ração se presente em quantidades perigosas.

VOCÊ SABIA?

Existem vários estágios nos quais a contaminação por micotoxina de rações para pets pode ocorrer, incluindo antes da colheita, no armazenamento e no processamento. Infelizmente, o processamento e a extrusão em altas temperaturas de rações para pets não conseguem desativar todas as toxinas.

Mitigar o potencial de ameaça da contaminação por micotoxina certamente é um desafio para a indústria de rações para pets. Em comparação com o setor agrícola, certamente é dada menos atenção à ameaça que elas representam para os animais de estimação. Mas a ameaça é muito real, e os possíveis riscos de contaminação de matéria-prima para rações são os mesmos para ambas as indústrias. Por isso existem adsorventes de micotoxinas que são adicionadas à formulação de rações, controlando a presença dessas substâncias tóxicas e podendo garantir maior segurança alimentar para os pets.